A libélula do Kan-no-mado

1. Em 1922, o antropólogo Frederick Starr publicou um artigo sobre dobradura de papel na revista Japan Travel Overseas. Ele incluiu uma parte dos diagramas para fazer a libélula.
Gershon Legman leu o artigo em 1951 e, no ano seguinte, enviou a Ligia Montoya esse diagrama (veja a ampliação na imagem abaixo), com o desafio de encontrar uma maneira de resolver as etapas que faltavam.

2. Folha com a série incompleta de diagramas que Gershon Legman enviou para Ligia Montoya em 1952. Se compararmos com a série original (veja abaixo), observa-se que as três primeiras folhas estão ausentes.

3. Carta de Ligia Montoya respondendo ao desafio que Gershon Legman lhe enviou em 1952 e um diagrama mostrando a nitidez de sua dedução. Como diz a carta: "Sobre a solução do problema representado pela libélula, direi que não acho exatamente o que estamos procurando, mas, como dizem os italianos:" se não vejo, farei isso ".
Para saber mais sobre a vida de Ligia Montoya, você pode ler o livro "El Angel del Origami" (ou sua versão em inglês "Paper Life").

Em 1960, Julia Brossman redescobriu os desenhos que o antropólogo Frederic Starr havia feito com base na enciclopédia Kan-no-mado, ainda perdida (uma cópia foi encontrada mais tarde no Japão). Com esse material, ela e seu marido Martin Brossman publicaram o livro "Um clássico japonês de dobrar papel". O diagrama completo da libélula é reproduzido aqui. Como pode ser visto, Legman possuía apenas a última página. A única pessoa que conseguiu deduzir as etapas anteriores em 1952 foi a argentina Ligia Montoya.

© 2020 Museo del Origami en Colonia.